Saúde discute os benefícios das práticas integrativas e complementares para o tratamento do tabagismo

A Secretaria de Saúde promoveu nesta sexta-feira (28/5) um debate on-line sobre o Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado no dia 31 de maio. A data foi instituída como forma de alertar a população sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. Também foi comemorado os 15 anos da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde, e as contribuições da acupuntura, prática integrativa disponível em Contagem, para o tratamento do hábito de fumar.

Segundo a técnica do núcleo de promoção a saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Handula Janine, o tema do Dia Mundial Sem Tabaco de 2021 é “Comprometa-se a parar de fumar durante a pandemia da Covid-19”, pois, segundo estudos, o hábito de fumar pode aumentar o risco a contrair o coronavírus.

“É importante divulgarmos alguns dados. Atualmente o fumo é responsável por 71% das mortes de câncer do pulmão, 42% das doenças respiratórias crônicas e aproximadamente 10% das doenças cardiovasculares. Além disso, pode ser fator de risco para doenças transmissíveis, como tuberculose e a Covid-19”, informou Handula.

Durante o encontro, as palestrantes explicaram como as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS), que se utilizam de recursos terapêuticos naturais e ações multidisciplinares que consideram a pessoa em seus vários aspectos (físico, psíquico, emocional e social), ajudam na promoção da saúde e no tratamento e na prevenção de doenças, de forma segura e eficaz.

No Brasil, as Políticas Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde foram estabelecidas em maio de 2006, através da Portaria GM/MS nº 971. Já em Contagem, a Lei nº 4764 que permite o uso das PICS no tratamento dos usuários no SUS municipal, foi sancionada em setembro de 2015. Atualmente existem 29 tipos de PICS no SUS, como medicina tradicional chinesa, acupuntura, medicina antroposófica, homeopatia, plantas medicinais e fitoterapia.

Aproveitando a comemoração dos 15 anos da Política Nacional das PICS, a acupunturista, psicóloga especialista em saúde mental e psicanálise, Josiane Francisca Gualberto, explicou como a aplicação dessas práticas podem contribuir no tratamento de diversas toxicomanias, como o tabagismo.

Na apresentação, Josiane explicou a origem da prática de acupuntura e a sua técnica milenar chinesa usada no auxílio de tratamentos medicinais. “O objetivo é trazer o equilíbrio energético baseado na concepção taoísta do yin-yang e como esse equilíbrio repercute no corpo, trazendo alívio da dor, regulação do ciclo do sono, harmonização das emoções, dentre outras funções”, afirma.

A acupuntura funciona no tabagista diminuindo a ansiedade desse usuário, contribuindo para diminuir a intensidade das crises de abstinência. Ela trabalha essa questão da abstinência, ajudando o usuário a desintoxicar o organismo, melhorando o funcionamento dos órgãos.

Para o tratamento do tabagismo, ela pode ser aplicada de duas formas: sistêmica e auricular. “O principal princípio da medicina chinesa que trabalhamos na acupuntura é alojar o shen, ou seja, regular o circuito de prazer e recompensa do sistema límbico, amenizando os sintomas da abstinência e conferindo maior clareza mental e capacidade de discernimento nas escolhas desse usuário”.

O tratamento também vai ajudar para uma respiração mais fluida, na eliminação de toxinas, melhorando o paladar do usuário e às vezes contribuindo para que o cigarro se torne menos interessante ou até repulsivo.

A Secretaria de Saúde possui uma equipe multidisciplinar de cinco profissionais, lotados em diferentes pontos do município para atender a população. Para buscar atendimento, é preciso que o usuário procure a unidade básica de saúde mais próxima para que ele seja acolhido, avaliado e, assim, encaminhado para o serviço de acupuntura.

Repórter Milla Silva