Entenda como funciona a vacinação e quais são as responsabilidades de cada órgão envolvido na imunização

O PNI (Plano Nacional de Imunização) contra a Covid-19 no Brasil é feito em um processo tripartite, ou seja, participam os governos federal e estadual e os municípios, cada um cumprindo com sua responsabilidade.

Tudo começa com o Governo Federal, responsável pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) e por adquirir vacinas oriundas dos laboratórios que possuem autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Atualmente, o Brasil conta, até esta data, com doses da CoronaVac / Butantan e AstraZeneca / Oxford, fabricada no Brasil pela FioCruz.

Após a aquisição, o Governo Federal faz a distribuição, de acordo com critérios definidos pelo Ministério da Saúde, para os estados e o Distrito Federal. Em Minas Gerais, ao receber as doses, o Governo do Estado faz a distribuição para as 28 Regionais de Saúde, que posteriormente organiza a distribuição das doses para os municípios em suas jurisdições.

O Governo de Minas Gerais distribui as doses determinando lotes para aplicações da dose um ou dose dois. Ou seja, aquelas que devem ser utilizadas imediatamente e outras que devem ser armazenadas para aplicação da segunda dose.

Desta forma, os municípios ficam responsáveis por gerir a aplicação das doses. Em Contagem, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, tem agido e se preparado para imunizar a população com agilidade e segurança. Tendo sempre como objetivo vacinar o maior número de pessoas, mas garantindo sempre o esquema completo, ou seja, a segurança em se aplicar as duas doses da vacina.

Importante ressaltar que Contagem só abre um novo grupo de imunização quando há a garantia de primeira dose para atender a todos os inseridos no respectivo grupo ou faixa-etária. O município sempre procurou armazenar, dentro dos prazos definidos, as doses destinadas à segunda aplicação, conforme o Estado envia novas demandas exclusivas para a dosagem final.

No momento, Contagem está imunizando o grupo prioritário de trabalhadores da saúde, quilombolas, profissionais das forças de segurança e idosos com 61 anos ou mais. Além disso, já foram vacinados os idosos moradores de Instituições de Longa Permanência (ILPIs) e pessoas com deficiência moradoras de lares inclusivos.

Desde o início da campanha de vacinação, Contagem recebeu 155.501 vacinas, sendo 94.358 destinadas à primeira dose e 61.143 para a segunda dosagem. Neste ínterim, a cidade aplicou 134.893 vacinas, sendo 89.483 da primeira dose e 45.209 destinadas à segunda dose. É importante lembrar que a Prefeitura trabalhou com doses do instituto Butantan e também da Fiocruz, que tem um intervalo de tempo maior entre as doses, o que explica a diferença nos números.

Repórter Rafael D´Oliveira