Guarda Civil de Contagem conta com agentes munidos de pistolas .40 para atender as ocorrências

Guardas civis de Contagem passaram a usar pistolas .40 nas suas atividades cotidianas

Desde março deste ano, guardas civis de Contagem passaram a portar pistolas calibre .40 após doação de 367 modelos da arma feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e treinamento interno dos 420 integrantes da corporação para o seu manuseio. Atualmente, a guarda tem em seu acervo pistolas calibre .40 e .380, revólveres calibre 38 e espingardas calibre 12.

Com capacitações regulares do seu efetivo e investimentos em equipamentos, a Guarda Civil de Contagem passou a ser referência no âmbito da segurança pública do Estado de Minas Gerais e reconhecida no país.

Segundo o comandante da GCC, Levi Sampaio, a doação contribuiu para o cumprimento das atribuições da guarda. “No cenário de violência que existe hoje, uma guarda não armada tem sua capacidade de ação limitada. Hoje, podemos dizer que nossa corporação está equipada e preparada para cumprir o seu ofício. É preciso lembrar de que a principal função do armamento é a defesa da vida do agente e de terceiros, quando em risco iminente”, afirmou.

Ainda de acordo com Sampaio, é possível estabelecer uma correspondência entre o aumento da capacidade de atuação da corporação e a diminuição da criminalidade registrada na cidade. “Com essas ferramentas de trabalho, a Guarda Civil de Contagem ampliou as atividades de segurança pública, aumentando o número de ocorrências atendidas nos últimos anos. O sucesso das operações contribui para a diminuição da criminalidade em Contagem, ao lado da atuação de outras polícias e órgãos de defesa social”, declarou.

Estatísticas e Covid-19

Em 2017, a Guarda Civil atuou em 9.240 ocorrências. No ano seguinte, foram 10.672 ocorrências. Em 2019, a quantidade de atendimentos saltou para 12.737. Neste ano, a guarda já atendeu, de janeiro ao final de junho, 6.972 ocorrências. As ações envolveram atendimentos a crimes de ameaça, dano, furto, roubo, posse irregular de arma de fogo e veículos recuperados.

Já em relação à pandemia do novo coronavírus, de 21 de março a 31 de julho, foram 20.219 ocorrências, sendo 11.648 ações preventivas, 5.432 fechamentos de estabelecimentos, 2.783 combates de aglomeração de pessoas, além de 335 multas aplicadas e 21 prisões efetuadas.

No tocante aos índices de violência, de acordo com o Observatório Socioeconômico de Contagem, um centro de conhecimento e difusão de informações viabilizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Sedecon), de janeiro a setembro dos anos de 2017, 2018 e 2019, a cidade de Contagem registrou queda de 49% nas ocorrências de roubos, 48% nos crimes violentos, 11% nos furtos de carros e 32% nos registros de homicídios.

A taxa é obtida pela razão entre o número de crimes violentos registrados e o tamanho da população. Crimes violentos abrangem: homicídio (tentado e consumado), estupro (tentado e consumado), extorsão diante de sequestro consumado, sequestro e cárcere privado consumado, roubo consumado e estupro de vulnerável (tentado e consumado). Não é contabilizado o número de vítimas, e sim de ocorrências, que podem ou não ser registradas pela população.

Guarda Civil de Contagem: disque 153.